22 de novembro de 2013

Carta de repúdio à ACP e Sinduscon


Dia 20 de novembro é considerado o Dia Nacional da Consciência Negra. Neste dia, em 1695, fora encontrado o corpo de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, após mais de um ano de conflitos com Domingues Jorge Velho e seus mais de 9.000 homens armados com canhões. Quilombo era um lugar onde negros se refugiavam na tentativa de não serem mais escravizados. O Quilombo dos Palmares ficava localizado na Serra da Barriga, atual estado de Alagoas e chegou a ser o maior de todos eles, com mais de 20 mil pessoas. Desde 2003 essa data está presente no calendário escolar através da lei nº 10.639, que também instituiu nas escolas o ensino da história e cultura afro-brasileira.

Porém, em Curitiba, a capital com maior concentração de negros do sul do país, e mesmo com a Lei nº 14.224 de Janeiro deste ano, que institui o dia de hoje como feriado municipal em homenagem a data, a ACP (Associação Comercial do Paraná) e do Sinduscon-PR (Sindicato da Construção Civil do Paraná) demonstram estar com a consciência parada no tempo por conta do pedido de suspensão da lei, aprovado inclusive pelo Tribunal de Justiça do estado (TJ-PR) e pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O motivo levantado pelas duas entidades é meramente financeiro: segundo elas, o prejuízo que o feriado traria para o comércio seria da casa dos 160 milhões de reais.

A União Paranaense dos Estudantes (UPE), através desta, vem demonstrar seu repúdio à atitude da ACP e do Sinduscon-PR por não compreender o significado que esse feriado representaria a toda comunidade afro-descendente e sua valorização por parte dos demais. Essa postura pragmática demonstra como os valores econômicos continuam sendo prioridade em relação a valores humanos, assim como os negros foram escravizados por serem tidos como mão de obra barata. Até hoje, segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), os negros continuam recebendo salários em média 36% menores em relação a não negros, além da dificuldade em ascender para cargos de direção e planejamento. Em relação à juventude, conforme dados que integram pesquisas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e da Organização das Nações Unidas (ONU), as chances de um jovem negro morrer são 3,7 vezes maiores que um branco. O extermínio da Juventude Negra é um tema que tem preocupado e mobilizado diversas organizações e movimentos da sociedade civil organizada. Isso mostra que o racismo no nosso país está longe do fim, sendo necessário estarmos atentos a violência e extermínio contra a juventude negra.

Nas universidades, a exclusão de negras e negros era alta até a criação e ampliação das cotas, que agora vem mudando a cara da universidade e já vem revertindo o quadro citado em relação ao mercado de trabalho, mas ainda tem muito o que avançar!

A União Paranaense dos Estudantes é a favor de toda e qualquer manifestação cultural, religiosa, étnica e sexual desde que se respeitem os demais e a liberdade dos indivíduos. Também compreendemos que de nada adianta existir um Dia Nacional da Consciência Negra se não mudarmos a cultura do preconceito e do racismo pela da paz e da união de todos os povos. Este dia só faz sentido se for construído para criar espaços de transformação e valorização de todas as etnias.


União Paranaense dos Estudantes
Nota aprovada em 20 de novembro de 2013.

# Redes Sociais