22 de agosto de 2012

ESTUDANTES PEDEM O FIM DA GREVE E COBRAM POSIÇÃO IMEDIATA DO GOVERNO


Sem acordo, universidades federais estão sem aula há mais de três meses

A greve das federais, que já dura mais de 90 dias, uniu a comunidade acadêmica em todo o território nacional com professores, técnicos administrativos e estudantes lutando pela mesma causa – a melhoria na educação pública do país. Contudo, a demora do governo em atender as reivindicações vem causando uma perda significativa das aulas, com sérios riscos de comprometer todo o ano letivo.
Durante o período de paralisação, o governo ofereceu apenas duas propostas aos grevistas. A última, apresentada no dia 24/7 foi aceita pela Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), mas rejeitada pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino (Andes) e pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Tecnológica (Sinasefe).
Em comunicado divulgado no último dia 18/8, o Andes informou que a paralisação dos professores das universidades federais está mantida na maioria das instituições. De acordo com o comando de greve, docentes de 57 universidades decidiram em assembleia pela sua continuidade.
Segundo o presidente da União Catarinense dos Estudantes, Dérique Hohn, os estudantes estão unidos e querem pressionar o governo por respostas concretas. ‘’ Estamos fazendo mobilizações com o objetivo de mostrar para a sociedade que estamos organizados. Queremos que o governo federal atenda às reivindicações dos grevistas para que as aulas possam retornar o mais rápido possível. 

MOBILIZAÇÕES PELO PAÍS EXIGEM O RETORNO DAS AULAS 

Apesar dos estudantes defenderem as pautas dos professores, eles esperam que as aulas voltem com urgência. Nos estados de Minas Gerais, Amazonas e Pernambuco há reuniões constantes com o comando de greve para pressionar o governo. Já na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), um ato reuniu na cidade de Pato Branco na última segunda-feira (20/08), milhares de estudantes que se mobilizaram e foram até as ruas, com o objetivo de mostrar sua insatisfação com os rumos da paralisação.
Segundo o presidente da União Paranaense dos Estudantes (UPE), Rafael Bogoni, o governo está tratando a questão da greve nas federais de uma
maneira irrelevante. “Vamos nos mobilizar e mostrar para a sociedade e para governo que os estudantes estão sem aula, e que a cada dia que passa pior é o tratamento do governo em relação a esse assunto. Queremos aulas já”, explicou.

No estado de Santa Catarina acontecerá um ato na cidade de Joinville, nesta quarta (22/08) com concentração às 10h na Praça da Bandeira. A iniciativa partiu da União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Catarinense dos Estudantes (UCE), juntamente com professores. O objetivo é chamar a atenção das autoridades para que as reivindicações sejam atendidas e as aulas voltem ao normal.


Mariana Ortiz e Renata Bars

# Redes Sociais