17 de agosto de 2011

Estudantes se mobilizaram ontem na luta contra as agências reguladoras.


Projeto de lei, pretende inserir agências que regularão empresas estatais, uma prévia das privatizações?




Exatamente 10 anos após os estudantes e os movimentos sociais do estado do Paraná legitimarem a conquista da campanha "A Copel é Nossa!" ontem (16) a UPE, centrais sindicais dos trabalhadores, e diversos seguimentos da sociedade organizada participaram de uma passeata que atravessou o centro Curitiba, e convidava a populaçao em geral à discutir um novo projeto de lei, que pretende regular as estatais que prestam serviços básicos como água e luz. 
A concentração começou na Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba, por volta das 13h. A passeata teve início às 14h30, com a presença de 250 pessoas. Os manifestantes passaram por ruas importantes do centro da capital, como XV de NovembroPresidente Faria e Avenida Cândido de Abreu
O grupo chegou à Alep com faixas e cartazes contra as privatizações, por volta das 15h20. Uma delas dizia: a Copel é nossa. Os manifestantes utilizaram apitos e o barulho interrompeu a sessão por cerca de cinco minutos. No momento em que chegaram à Casa, o deputado Bernardo Ribas Carli (PSDB) discursava e ele só voltou a falar depois que os manifestantes se acalmaram.
Com o movimento, o deputado Ademar Traiano (PSDB) afirmou que vai responder questões sobre as dispensas de licitação do governo na sessão de quarta-feira (17). O líder do governo na Casa aproveitou para garantir que as empresas públicas do estado não serão privatizadas.
O presidente da CUT-PR, Roni Anderson Barbosa, discursou em plenário e explicou que o movimento entende que a proposta de criação da Agência Reguladora serve para preparar a privatização de algumas empresas. O presidente da Alep, Valdir Rossoni (PSDB), garantiu que "enquanto for presidente não há possibilidade de entrar em pauta qualquer projeto que venha privatizar qualquer empresa pública do Paraná".
Além de Curitiba, as cidades de Ponta Grossa, Foz do Iguaçu, Guarapuava e Cascavel também terão protestos dos servidores. A data foi escolhida porque marca os dez anos da ocupação da Alep por manifestantes que protestavam contra a privatização da Copel.


Os manifestantes fizeram um apitaço ao subir as escadas da Assembleia Legislativa até o Plenário. Pela manhã, foi realizada uma audiência pública no Plenarinho da Assembleia Legislativa para lembrar também os dez anos de movimento popular contra a venda da Copel.
O Projeto de Lei 361/2011 que cria a Agepar foi retirado de pauta da Assembleia Legislativa pelo governador Beto Richa para melhor análise e devido à polêmica que vem causando entre os meios sindicais e os servidores públicos. A Agepar seria uma agência reguladora que fiscalizaria empresas públicas como a Copel e a Sanepar. Sindicalistas e servidores públicos temem que a Agepar seja o primeiro passo para a privatização de empresas como a Copel e a Sanepar.
Para Rafael Bogoni presidente da UPE "A impunidade do estado perante a população em idealizar ou síquer imaginar que nossas empresas estatais estarão na mãos de agências reguladoras, de fato será contestato pelos estudantes paranaenses, que há 10 anos já declaram que dentre tantas empresas a COPEL é NOSSA! "

# Redes Sociais