22 de outubro de 2009

Resoluções da 1ª Conferência Regional Livre de Juventude e Comunicação

Na última quarta-feira (14/10) aconteceu no Casarão da União Paranaense dos Estudantes em Curitiba a 1ª Conferência Livre Regional de Juventude e Comunicação, com o objetivo de debater com os diversos segmentos de Juventude suas propostas uma comunicação democrática e inclusiva.

Segue abaixo as resoluções que serão encaminhadas para etapa estadual da Conferência Nacional de Comunicação que acontecerá nos dias 06, 07 e 08 de novembro em Curitiba.

1ª Conferência Regional Livre de Juventude e Comunicação

Curitiba, 14 de outubro de 2009, das 14h30 às 17h.

Local: sede da União dos Estudantes do Paraná. Rua Carlos Cavalcanti, 1157 – São Francisco. Curitiba - PR.

Número de participantes: 44

I - Produção de Conteúdo

- Oportunidade de veiculação: canais comunitários, espaços nos veículos de comunicação para produção regional conforme determina a Constituição, inclusive em horários nobres.

- Incentivo a produção: projetos de educomunicação nos bairros, educomunicação nas escolas desde o ensino básico.

- Controle Social: Programas educativos para crianças em canal aberto, Conselhos de comunicação com participação popular que inclua diversos povos e tradições em âmbito municipal, estadual e federal.

II - Meios de Distribuição

- Que a juventude tenha condições de criar e veicular programas nas emissoras de rádio e TV.

- Pela criação do horário gratuito do “povão”; da mesma maneira que existe o horário eleitoral gratuito, que seja criado o horário gratuito do “povão”, espaço produzido pela sociedade civil organizada e veiculado nos meios de comunicação.

- Que as Escolas incentivem a criação de grêmios e de instrumentos que facilitem a comunicação entre grêmio e estudantes (criação de jornal, rádio, blog).

- Maior flexibilidade na legislação das telecomunicações para abertura de rádios e TVs comunitárias.

- Que o Movimento Estudantil utilize as ferramentas de comunicação para se aproximar dos estudantes.

- Democratização do acesso a Internet.

- Pela ampliação dos Telecentros.

- Que a internet sirva como um instrumento de formação e informação e não de alienação.

- Criação do SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) da comunicação.

- Que as denuncias feitas no SAC sejam apuradas por um conselho com representantes dos três segmentos da sociedade (sociedade civil, empresariado e governo).

-Veiculação de programas comunitários nos transportes públicos.

III - Cidadania: Direitos e Deveres

- Mais espaço às emissoras filiadas e com isso mais produção regional seguindo temas próximos a realidade local, assim retratando a diversidade e riqueza cultural da localidade.

- Ampliar o numero de vozes que tem os meios de comunicação como espaços de expressão.

- Os assuntos de relevância são sempre associados ao prazer – inclinação para conteúdos da publicidade, sobre sexualidade.

- Eliminar qualquer conteúdo que tenha a violência – de forma explicita ou implícita.

- Questões de importância para o conjunto da nação não devem ser mostradas a partir de apenas um prisma.

- Os meios devem evitar o reforço de uma ditadura da beleza – incitação ao consumo, ao erotismo, a não aceitação do seu corpo pelo desejo da magreza, dos cabelos lisos, da pele alva – elementos que não correspondem a maioria das características físicas do povo brasileiro.

- Os meios de comunicação não deve criminalizar grupos sociais – como movimentos sociais, juventude, moradores de periferia.

- Deve ser melhorada a imagem construída dos jovens na mídia – muitas vezes generalizadora e discriminatória.

- Financiamento para mídias comunitárias e alternativas.

- Respeito a diversidade.

- Acesso qualificado a internet por todas as escolas da Rede Publica de Ensino.

- Criação de um conselho de Comunicação, de caráter deliberativo, com cota para participação de jovens.

- Garantir conteúdos que valorizem as diversidades culturais, etnico-raciais, de gênero e orientação sexual.

- Estimular a participação de adolescentes e jovens não apenas em conteúdos relacionados a esses públicos mas em toda e qualquer matéria, reportagem, etc, como fonte qualificada para discutir os diversos assuntos.

- Fomentar a prática da educomunicação como pratica transdisciplinar no ensino formal e não-formal de modo a promover a educação para a mídia e a produção da mídias e a produção de mídias por crianças e adolescentes e jovens.

- Editais que viabilizem financeiramente a estimulem a produção pelos diversos públicos, de maneira a democratizar o acesso a essa atividade e garantir a pluralidade de jovens.

- Os meios de comunicação devem atender em sua programação uma maioria indiscriminada. Atender também a demanda cultural de cada região, promover uma troca de conhecimentos dentro de culturas regionais. Reduzir o entretenimento supérfluo bem como promover a publicidade social.

- Em vez de mostrar propagando enganosas mostrar a realidade para a realidade para o povão.

- Participação da sociedade em geral para opinar e interferir na grade de programação, ajudando na formulação dos conteúdos e das emissoras.

- Abertura para os adolescentes expressarem o que sentem em relação a tudo o que está acontecendo ao seu redor.

- Os meios de comunicação devem denunciar a opressão do homem pelo homem tudo em nome do lucro.

- Deve mostrar a diversidade brasileira, as diferenças do povo, as características, as historias das comunidades em vez de homogeneizar a nossa cultura, mostrar um so brasileiro com uma só característica.

- Deve restringir o espaço para a publicidade. O papel dos meios não é estimular o consumo.

- Os conteúdos dos meios de comunicação devem servir para a autonomia do homem, para o reconhecimento dos seus direitos e para alienação, para a passividade, para a competição.

# Redes Sociais